Presidência

Prioridades Desporto

No domínio do desporto, a Presidência Portuguesa assume como prioridades:

  • Inovação no Desporto
  • Diplomacia desportiva no contexto das relações externas da UE

Inovação no Desporto

O desporto é uma área de inovação, por excelência, pela sua capacidade de mudança com base nas tendências tecnológicas e sociais. No desporto, os “utilizadores” (atletas, treinadores, professores, voluntários, …) têm um papel de destaque na promoção da inovação, não raras vezes sendo estes os seus principais impulsionadores.

Num momento em que a dupla transição (digital e verde) é um aspeto fundamental da política europeia, pretende-se consciencializar e colocar na agenda a inovação no desporto, por se considerar que o desporto não existe à margem dos demais setores, com eles estabelecendo importantes sinergias.

Os desafios a que a inovação no desporto responde situam-se em áreas tão distintas como a saúde, o ordenamento do território, a tendências tecnológicas, ou a cidadania ativa. E, contudo, o desporto não deixa de estar presente. Por conseguinte, reconhecemos a inovação no desporto como um fator de desenvolvimento de todas as dimensões do desporto (Social, Económica, Organizacional), e a todos os níveis (Europeu, Nacional e Local), quer por meio de novas ideias, mudança e renovação, quer moldando a forma como o desporto é praticado, visto e organizado.

Para novos desafios, novas abordagens e novas capacidades!

Abordaremos o impacto da inovação do desporto, por exemplo, referindo-se às externalidades positivas do desporto (promoção da atividade física, saúde, bem-estar, inclusão social, desempenho, crescimento económico, formação e métodos de aprendizagem). Ao mesmo tempo, reconhecemos o impacto sobre as externalidades negativas (como uma ameaça): comercialização, combinação de resultados, doping, violência, abuso e assédio.

Ao reconhecer que a inovação está a mudar o desporto, também reconhecemos que está a afetar o papel do desporto noutros setores.

Iniciativas no âmbito da Inovação no desporto:

Do ponto de vista operacional, esta prioridade será suportada por três vias:

  • Conclusões do conselho sobre inovação no desporto.
    A presidência promoverá uma visão partilhada dos EM para a inovação do desporto, ambiciosa na sua abrangência, e reforçando a base política para que cada EM aprofunde o seu trabalho na inovação do desporto, materializando-se pela aprovação de conclusões pelos Conselho.
  • Seminário de Inovação no desporto
    O evento permitirá apresentar o estado da arte da inovação no desporto, nas diferentes perspetivas, e salientar o que de melhor está a ser feito neste campo. O cerne do seminário é a partilha, o networking entre diferentes agentes, e o fomento de um entendimento partilhado sobre o tema, suportado pelas conclusões do conselho sobre inovação no desporto
  • Lançando a Lisboa Call on Sport Innovation, uma iniciativa que, orientada para o futuro, apontará o caminho nos próximos anos em matéria de inovação no desporto, em linha com as conclusões do conselho. Mais do que o compromisso político, trata-se da criação de um movimento orgânico por trás da Call, que mantenha a discussão sobre a inovação no desporto acesa. Esta iniciativa partindo da Presidência, é extensível ao movimento desportivo e sociedade civil, vendo em cada indivíduo, mais do que subscritor da declaração, verdadeiros embaixadores para a inovação no desporto, nos seus respetivos contextos de atuação.

Diplomacia desportiva no contexto das relações externas da UE

O desporto pode ter um papel a desempenhar na diplomacia da UE e dos Estados-Membros, como um instrumento de apoio à cooperação intercultural, económica e política, de compreensão entre nações e culturas, e de criação de ligações entre pessoas, e o seu potencial pode ser utilizado para alargar e reforçar os contactos entre a UE e os países terceiros.

Atualmente existe uma panóplia de atores no palco desportivo envolvidos em práticas diplomáticas, bem como diplomatas que utilizam o desporto na sua ação. Se há quatro anos, quando o conceito de diplomacia desportiva foi introduzido a nível da UE, se procurou dar-lhe sentido, neste momento, importa entender a diplomacia desportiva à luz da situação atual vista do ponto de vista europeu, tendo presente que esta se pode estender a públicos mais amplos e alargar as suas tradicionais noções.

A diplomacia desportiva pode ser entendida como a utilização do desporto enquanto instrumento para influenciar as relações diplomáticas, interculturais, sociais, económicas e políticas. Constitui uma parte indissociável da diplomacia pública, a qual é um processo de comunicação a longo prazo com o público e as organizações com finalidades como aumentar a atratividade e a imagem de um país, região ou cidade e influenciar a formulação das políticas nos diversos domínios de ação. Contribui para a consecução dos objetivos de política externa de forma visível e compreensível para o público em geral.

A diplomacia desportiva a nível da UE engloba todos os instrumentos pertinentes na área do desporto utilizados pela UE e os seus Estados-Membros com vista a cooperar com os países não pertencentes à UE e com organizações governamentais internacionais. Esses instrumentos deverão ser direcionados para a cooperação política e o apoio às políticas, projetos e programas. A tónica deverá ser posta no papel do desporto nas relações externas da União, incluindo na promoção dos valores europeus.

Compreendemos a diplomacia desportiva como outra forma de construir pontes entre pessoas e culturas. De facto, o desporto pode ser visto como uma linguagem universal, e compreendido em todas as latitudes do globo.

Deste modo, pode ser uma forma muito relevante de disseminação dos valores Europeus e de valorizar o posicionamento da Europa no mundo.

Pretendemos, assim, valorizar o desporto nas relações externas da UE, reforçar as relações económicas, diplomáticas, políticas e sociais da União Europeia com países terceiros tendo como enquadramento o papel do desporto para a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

Entendemos que o desporto pode desempenhar um papel em diferentes aspetos das relações externas da UE e é um instrumento potencial para as relações externas diplomáticas, económicas, sociais e políticas da UE, permitindo atravessar fronteiras, promover os direitos humanos, abordar as pessoas através de causas, valores, interesses e paixões.

Iniciativas no âmbito da diplomacia desportiva:

Do ponto de vista operacional, esta prioridade será suportada por: